Elias Evangelista, Advogado

Elias Evangelista

Jaboticabal (SP)
11seguidores43seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Advogado, contabilista e Prof. Universitário
www.eliasevangelista.jur.adv.br

Principais áreas de atuação

Direito Penal, 12%
Direito Tributário, 12%
Direito Processual Penal, 12%
Direitos Humanos, 12%
Outras, 52%

Comentários

(2)
Elias Evangelista, Advogado
Elias Evangelista
Comentário · há 2 anos
Caros colegas,

Defendo que o advogado faz jus aos honorários contratados, permitindo-se sim a cobrança de 3 parcelas bem como o direito ao recebimento de até 30% incidentes sobre os valores em atraso.

Em breve síntese, seja por meio do
CPC atual ou do NOVO CPC - certo é que nossos honorários tem NATUREZA ALIMENTAR, nesse sentido o novo CPC dispõe no art. 85, § 14. "Os honorários constituem direito do advogado e têm natureza alimentar, com os mesmos privilégios dos créditos oriundos da legislação do trabalho, sendo vedada a compensação em caso de sucumbência parcial."

Mas muito mais que compreender a natureza jurídica dos honorários advocatícios, devemos compreender que a própria legislação (novo CPC) quando regula os honorários (sucumbenciais) determina que estes devem ser fixados:

I - o grau de zelo do profissional;

II - o lugar de prestação do serviço;

III - a natureza e a importância da causa;

IV - o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço.

No caso dos honorários contratados, entendo que deve sim prevalecer o disposto no contrato fixado entre as partes, ademais caso o cliente não queira simplesmente é livre para buscar profissional que cobre valor inferior.

Ainda, sabemos que boa parte das ações previdenciária o advogado tem:

1) Que atuar no campo administrativo seja solicitando cópia de P.A, certidões, realizando consultas etc...

2) Que aguardar a expedição de RPV ou Precatório - fato que pode levar anos e anos de trabalho;

3) Atua com uma população "carente", não apenas financeiramente mas carente de justiça - que anseia pela rápida solução do seu conflito, fato que é postergado pela morosidade do judiciário, prazos etc.... Enquanto isso, o atendimento ao cliente no campo previdenciário é muito constante, demandando tempo, paciência e por consequência horas de trabalho;

4) Por vezes, milhares de advogados realizam os próprios cálculos, porquanto os clientes simplesmente não possuem condições de pagar por eles e não há extensão da gratuidade da justiça para cálculos iniciais...ao contrário, caso não realizamos há risco de extinção do processo.

Não bastasse isso, inúmeras vezes "o dia do benefício representa a véspera da ingratidão".

Por fim, um caminho que pode ser de bom sendo e reduzir discussões sobre o tema:

a) Cobrar 3 parcelas do benefício;

b) Cobrar percentual dos valores em atraso proporcional ao nosso trabalho, por exemplo: 10% para cada ano de tramitação do processo até o limite de 30%. Ou 10% do atrasados se o processo se resolver com a sentença, + 10% se apenas no Tribunal e + 10% se no Tribunal Superior (STJ/STF).

O que não aceito, com todo respeito, é que uma decisão simplesmente trate como igual:

- um processo que se encerra com acordo após uma perícia de auxílio doença em juizado especial (após 5 meses de trabalho) e outro que tramitou por 7 anos, frutos de vários recursos, como uma aposentadoria especial.

Nesse sentido, o novo CPC determina nos casos de honorários sucumbenciais: "Art. 85. A sentença condenará o vencido a pagar honorários ao advogado do vencedor. (...) § 11. O tribunal, ao julgar recurso, majorará os honorários fixados anteriormente levando em conta o trabalho adicional realizado em grau recursal (...)"

Elias Evangelista
www.iapacursos.com.br
www.eliasevangelista.jur.adv.br

Perfis que segue

(43)
Carregando

Seguidores

(11)
Carregando

Tópicos de interesse

(48)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Jaboticabal (SP)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Elias Evangelista

Entrar em contato